Como se tornar um jornalista freelancer?

Ainda que o jornalismo seja uma profissão em que o modelo freelancer seja bastante popular, muitos profissionais demoram ou nunca chegam a considerar essa possibilidade, principalmente por ela dificilmente ser abordada nas faculdades.


Por isso, este post foi feito especialmente para os jornalistas que não se encaixaram em nenhum dos veículos tradicionais (jornais, revistas, rádio, TV ou assessoria de imprensa) e nem atuando na comunicação interna de empresas: saibam que existe, sim, uma outra saída!


Confira, a seguir, como você pode se tornar um jornalista freelancer - e avaliar se essa forma de trabalho faz sentido para você:


1. Explore os serviços que você pode oferecer


Este é o primeiro passo para pensar em como vai ser a sua carreira a partir daqui. Algumas opções para você pensar:


- Produção de conteúdo: os jornalistas são alguns dos melhores profissionais para atuar nessa área, já que possuem uma facilidade mais natural com a produção textual e com a pesquisa e organização de informações relevantes.

- Ghostwriting: atualmente, existem muitas demandas por esse tipo de serviço além dos mais tradicionais (como livros). Muitos executivos, por exemplo, buscam um ghostwriter para organizar as suas postagens para o LinkedIn, uma rede social que está muito em alta.

- Social media: os jornalistas também podem cuidar de todo o universo das redes sociais dos clientes que não apenas a produção de conteúdo, aproveitando o seu conhecimento multimídia para organizar toda a comunicação.

- Assessor de imprensa freelancer: se você gosta dessa área, mas preferia atuar por conta, essa é uma possibilidade de pegar projetos que tenham mais a ver com você e com o mailing que você construiu.

- Redator/colunista de veículos e portais: por fim, se você não quer fugir muito do universo jornalístico tradicional, pode apostar na redação freelancer para jornais, revistas e sites que você se identifica com o conteúdo.


2. Pesquise cursos complementares para te dar mais segurança


Como você percebeu no tópico anterior, muitos dos serviços que os jornalistas freelancers podem oferecer conversam bastante com o universo do marketing.


Por isso, vale a pena pensar em estudos que possam complementar os seus conhecimentos e trazer mais segurança na hora de atuar com seus clientes.


A Rock Content é um dos portais mais procurados por quem está começando e não é por menos: as aulas são bastante completas e dão uma excelente base para os iniciantes que estão familiarizados com o marketing digital, mas precisam de conhecimentos mais técnicos.


Você também pode pesquisar outras capacitações na Udemy, um site que possui um extenso portfólio de cursos para você escolher, e na Escola Digitalista, especializada em marketing digital para jornalistas.


3. Acione a sua rede de contatos para conseguir as primeiras demandas


Caso você já tenha atuado em veículos e empresas de comunicação, este é o momento de conversar com seus colegas e avisá-los que você está oferecendo serviços como freelancer.


Isso porque, de forma geral, uma grande parte dos primeiros clientes chegam por indicações de profissionais que fazem parte do seu networking. Inclusive, aproveite, também, os seus contatos com fontes que você entrevistou no passado e que podem estar precisando do seu trabalho.


De uma forma geral, venda o seu peixe para os conhecidos e deixe seus contatos. Nunca se sabe de onde virão as oportunidades!


4. Organize o seu portfólio e valorize a sua formação em jornalismo


Além de deixar os seus trabalhos antigos bem organizados em um só lugar (o Behance, por exemplo, é uma excelente plataforma para fazer isso se você ainda não puder investir em um site profissional), lembre-se de deixar claro na descrição da sua trajetória a sua formação em comunicação.


O motivo é bem simples: precisamos valorizar aquilo que temos de mais interessante na nossa carreira para usar como argumento de que você é um profissional bem preparado para atender seus clientes. E o diploma ( ainda que, muitas vezes, não seja obrigatório) é um desses itens que podem fazer com que você saia na frente da concorrência, já que transmite mais credibilidade e autoridade.


5. Deixe o seu LinkedIn organizado e produza conteúdos sobre a sua área de atuação


Por fim, essa dica não poderia ficar de fora, afinal, a rede social profissional mais famosa do mundo é uma excelente forma de não só de fortalecer o seu networking, mas também mostrar para seus futuros clientes suas experiências e conhecimentos.


Assim, garanta que todos os itens do seu LinkedIn estejam bem organizados, deixando claro que você está pegando demandas como freelancer, e produza conteúdo de qualidade para a sua rede.


Dica extra: leia os e-books do Universo Freela!


Por aqui, oferecemos dois e-books diferentes com conteúdos essenciais para você que está começando a explorar as possibilidades do modelo freelancer. Lembre-se de conferir esses materiais para ter uma base ainda maior na hora de iniciar essa nova fase da sua carreira.

 

Sobre o Universo Freela


O Universo Freela foi criado por Ana Luísa de Oliveira e Bruna Cosenza. Por aqui , você encontra conteúdos nos mais diversos formatos com o objetivo de orientar, informar e inspirar todos os que desejam trabalhar como profissionais autônomos. Queremos ajudar você a realizar o seu sonho de ter uma carreira freelancer sustentável, com muito mais empoderamento e liberdade.


Acompanhe as novidades em nosso Instagram, @universo.freela, e cadastre-se na nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos.

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo